quinta-feira, 28 de abril de 2016

Maledicência, uma arma eficaz de Satanás

´´Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário que sejam elas respeitáveis, não maldizente...´´   1Tm 3.11

Imagem retirada do google
O assunto que irei abordar hoje é sobre a maledicência, uma das armas poderosas de Satanás contra a vida do crente. O que é isso? Quais os males que a maledicência causa? A Bíblia condena tal ato? Quais são os agentes da maledicência?

Segundo o dicionário online Priberam maledicência é um ´´Ato de dizer mal= difamação, murmuração´´. Outro dicionário online Dicio diz que é um ´´Ato ou aptidão para falar mal dos outros; cuja intenção é denegrir; difamação. Fala injuriosa ou maldosa: comentário cheio de maledic
ência´´. Ou seja, é um ato de maldizer ou falar de outra pessoa visando diminuir esta e chamar a atenção para si ou querer se dá bem em alguma situação.
  
O primeiro a praticar tal ato foi Satanás no Jardim do Éden. Este para ludibriar Eva falou mal do Senhor (Gn 3.1) para ela tentando convence-la a comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Se utilizou da esperteza, mentira e difamação para obter seu objetivo. E conseguiu. Assim como tem conseguido até os dias de hoje, pois da mesma forma que Eva deu ouvido e crédito as palavras do Diabo, somos nós também. Satanás ama o que faz que é denegrir, acabar e matar com a imagem da pessoa. Não é a toa que a palavra ´´diábolos´´ em grego, tem como tradução ´´maldizente, caluniador, falar mal´´.

A maledicência é um mal que permeia dentro da Casa de Deus. E ninguém faz nada! Líderes não tomam consciência do estrago que a maledicência causa em nosso meio. Vidas são destruídas ao ponto de muitas delas chegam até se afastarem da presença de Deus, casamentos e amizades são desfeitos, a mentira reina no lugar da verdade, aparecimentos de doenças psicossomáticas em crentes e etc. A maledicência - que é a mesma coisa de calúnia, difamação e fofoca deve ser tratada do mesmo jeito quando se trata (va) do adultério, utilizar a disciplina. É bom frisar que não existe fofoca santa, eu não sei de onde esses fofoqueiros de plantão tiraram essa frase. Na Bíblia não tem nada disso. Outra coisa, eu nunca vi um crente maledicente, que deixa ser persuadido pelas falácias de Satanás, e depois abre sua boca para difamar seu irmão causando estragos que muitas das vezes são até irreparáveis, ficar em disciplina. Você já viu? Eu nunca vi!!

Falar mal do próximo é pecado, é pecado. E a liderança faz vista grossa. Ninguém toma atitude de aconselhar ou disciplinar os crentes que praticam tal ato. Banalizaram, acham isso normal, mas a Bíblia é bem enfática sobre este assunto, o Senhor condena a maledicência.

Observe como a Bíblia trata deste assunto:

1- Lábios perversos: ´´ Desvia de ti a falsidade da boca e afasta de ti a perversidade dos lábios.´´  Pv 4.24

´´Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor.´´  Pv 12.22a

2- A língua é como fogo: ´´Como o carvão é para a brasa, e a lenha, para o fogo, assim é o homem contencioso para acender rixas.´´  Pv 26.21

´´A língua é como fogo; é mundo de iniquidade.´´  Tg 3.6

3- A maledicência é uma abominação: ´´Seis coisas o Senhor aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre os irmãos.´´  Pv 6.19   (grifo meu)

Paulo quando escreveu a primeira epístola a Timóteo instruiu-o na escolha de bispos e diáconos listando uma série de como dever ser o caráter e comportamento destes futuros obreiros. As esposas dos diáconos Paulo pede que elas sejam mulheres de respeito e não maldizentes (gr. diabólos). Em 1Pe 2.1, Pedro nos exorta que devemos nos ´´despojar de toda maldade e dolo, hipocrisias e invejas e toda sorte de maledicência´´. O que significa ´´despojar´´? No grego 'apotíthemai, significa ´´afastar, deixar de fazer o que se está acostumado a fazer - parar, cessar, deixar de lado´´. Eles não escreveram sobre isso em vão, sabiam perfeitamente os males que a maledicência causa no corpo de Cristo.

Os agentes da maledicência

1- O maledicente: este por falta de cuidado com a língua, impede a santidade mútua no meio da igreja. Sem vigilância e através da língua contaminamos a nós e os outros (Tg 3.13-16; 1Pe 1.13-16; Mt 15.18-20; Hb 12.14,15; Cl 3.8,9).

2- O ouvidicente: se existe fofoqueiro ou caluniador é porque existe pessoas que dão ouvidos a fofoca. Saiba que quando você ouve calunias ou fofocas infundadas, certamente está mantendo a maledicência ativa causando assim muitos estragos por onde passa (Jo 21.15-23; Rm 8.5; Cl 3.1-3,16,17).

3- A vítima: neste caso, se a vítima - que é a pessoa mais prejudicada deste mal, se agir também na carne torna-se pior que o maledicente e até mesmo o ouvidicente. Se agir vai deixar-se vencer pelo mal e transgredir o mandamento ´´Amarás o teu próximo como a ti mesmo´´  (Mt 12.31). Portanto, não reage negativamente ao ser caluniado. Entrega tudo nas mãos do Senhor que Ele com certeza agirá em seu favor (Cl 3.12-15; Ef 4.15,16,24,26,27; 5.16-26; 1Jo 2.11).

A maledicência é um grande mal em que Satanás se utiliza para orquestrar seus planos de destruição em todas as instâncias. Ela precisa ser exterminada do nosso meio, principalmente no corpo de Cristo, mas para isso precisamos seguir cada vez mais os passos de Jesus submetendo a Sua vontade. Renunciar aos desejos da carne, alcançar coração sábio, se revestir da armadura de Deus e andar sempre no Espírito (Cl 3.2,3; Sl 90.12; Rm 6.12,13; Ef 6.10-18; Gl 5.16).

Uma ilustração acerca da maledicência - As três peneiras

Um homem foi ao encontro de Sócrates levando ao filósofo uma informação que julgava de seu interesse:

-- Quero contar-te uma coisa a respeito de um amigo teu!
-- Espere um momento. Disse Sócrates.
-- Antes de contar-me, quero saber se fizesse passar essa informação pelas três peneiras?
-- Três peneiras? Que queres dizer? Respondeu o homem.

-- Vamos peneirar a informação que queres passar. Devemos sempre usar as três peneiras. Se não as conheces, preste bem atenção. A primeira peneira é da VERDADE. Tem certeza de que essa informação é verdade?
-- Bem, foi o que ouvi outros contarem. Não sei exatamente se é verdade. Respondeu o homem.

-- A segunda peneira é da BONDADE. Com certeza essa informação foi passada pela peneira da bondade. Ou não?
Envergonhado, o homem respondeu. -- Devo confessar que não.

-- A terceira peneira é da UTILIDADE. Pensaste bem se é útil o que vieste falar a respeito do meio amigo?
-- Útil? Na verdade não.
-- Então, disse-lhe o sábio, se o que queres contar-me a respeito do meu amigo não é verdadeiro, nem bom e nem útil, então, é melhor que o guardes somente para ti.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, João Ferreira de. A Bíblia Sagrada Revista e Corrigida. 67ª impressão. RJ. JUERP/Imprensa Bíblica Brasileira. 1987.

ALMEIDA, João Ferreira de. A Bíblia Sagrada de Estudo da Mulher Revista e Atualizada. 2ª ed. SP. Sociedade Bíblica do Brasil. 2009.

LOUW, Johannes. NIDA, Eugene. Léxico Grego - Português do Novo Testamento. Baseados em domínios semânticos. 2ª ed. SP. Sociedade Bíblica do Brasil. 2013.

SCHOLZ, Vilson. BRATCHER, Roberto G. Novo Testamento Interlinear Grego-Português. 4ª ed. SP. Sociedade Bíblica do Brasil. 2004.

http://www.dicio.com.br/maledicencia

www.priberam.pt/dlpo/maledicencia

sábado, 16 de abril de 2016

Fortaleza de Babilônia

Imagem retirada do site http://drieverywhere.net/2010/04/05/cairo-coptico/
Esta linda imagem é da antiga fortaleza de Babilônia que está localizada no Egito, cidade do Cairo - que hoje em dia se conhece como Antigo Cairo.

Um lugar marcado pela história e monumentos fantásticos. Não se sabe ao certo quando o forte foi construído. Alguns estudiosos dizem que quando Nabucodonosor no ano 605 a.C. com o seu exército foi contra atacar a ameaça egípcia no alto rio Eufrates, o forte já existia. Por outro lado, outros estudiosos já afirmam que foi construído pelos persas por volta do século VI a.C. E mais tarde os romanos tomaram posse fazendo algumas modificações.

Quando for viajar ao Egito não esquece de ir ao bairro Copta - Cairo, e se deparar com a fortaleza de Babilônia, além do Museu Copta, a Igreja Suspensa (a mais antiga do Egito), Catedral de São Jorge, Igreja de Santa Barbara e etc.

Agora gostaria de compartilhar com vocês um vídeo da amada irmã Simone Guedes - diretora do IBBC, contando um pouco de sua experiência neste lugar lindo. Aproveitem e visitem o canal dela no youtube Jardim Rosa Simone.G lá você encontrará coisas interessantes concernente a dica de viagem, beleza e muito mais.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

http://www.touregypt.net/featurestories/babylon.htm
http://drieverywhere.net/categoria/dicas-de-viagens/africa-viagens/egito/cairo/page/2/

segunda-feira, 7 de março de 2016

Os reis de Israel - 4ª Parte

Rei Pecaías. Imagem retirada do site www.wikiwand.com
17- PECAÍAS (1Rs 15.23-26): Ele reinou somente dois anos. Seguiu as normas de seu pai em coletar os impostos para entregar a Assíria e também na idolatria. Esta atitude por parte deste rei, na questão do tributo, suscitou uma revolta no povo. Uns de seus oficiais chamado Peca encabeçou uma revolta e conspirou contra o rei Pecaías matando-o em Samaria. Segundo a Bíblia ele matou o rei e reinou em seu lugar.

18- PECA (2Rs 15.27-31): Ele reinou durante vinte anos. Também foi um péssimo rei, pois não se apartou dos pecados de Jeroboão. Os primeiros anos de seu reinado em Israel foi de crise, tanto nacional como internacional. Nesta época a Síria era subjugada por Israel. Peca para tentar derrotar estrategicamente a Assíria se fortalece politicamente com a Síria e depois com Judá (Reino do Sul), que na época era o rei Acaz. Mas ele não aceitou tal convite por temer consequências futuras por parte da Assíria. Acredita-se ser por causa dos assírios terem aliviados a pressão filisteia, pois em 734 a.C., Tiglate-Pileser III invadiu a Filístia ou por ser vassalo da mesma.

Assim as alianças siro-israelita fizeram uma pressão contra Judá e o combate foi decretado. O rei de Judá então pede socorro a Assíria enviando prata e ouro que se acharam na Casa do Senhor e os tesouros da casa do rei. O rei da Assíria sobe em Damasco, tomou algumas cidades e levou o povo para Quir e matou o rei Rezim (cf. 29; 16.9). Tiglate-Pileser III tomou muitas cidades da Síria reduzindo-a à impotência.

Quando Peca soube o que acontecera com a Síria, seus planos de deixar de ser subjugado pela Assíria fracassaram. Só restaram agora a vergonha e o medo. Peca sofre uma conspiração conduzida por Oseias. Nesta troca de liderança salvou Samaria de ser conquistada de vez pelos Assírios que ocuparam só algumas cidades em Israel (cf. 29). Oseias passa a ser o rei de Israel.

19- OSEIAS (2Rs 15.27-31; 17.1-23): Reinou nove anos. Foi o último rei em Israel e também fez o que era mal aos olhos do Senhor. Não possuía muitas alternativas políticas, pois era vassalo de Tiglate-Pileser III. Mas após a morte deste, Oseias tenta buscar apoio do governo egípcio - na época era o rei Sô, quando principalmente deixou de pagar tributos a Assíria. Salmaneser V, sucessor de Tiglate Pileser III, descobriu que Oseias estava em atitude conspiracionista contra ele, assim o encerrou em um cárcere e sitiou Samaria aproximadamente em 725 a.C. no período de três anos.

A Bíblia nos informa que no nono ano do rei Oseias, Salmaneser V tomou de vez Samaria e transportou a Israel para a Assíria em 722 a.C. (aproximadamente). Assim foi decretado o fim do reino do Norte.

Por inúmeras vezes Deus advertiu, tanto os reis como a parte comum do povo do reino do Norte a se arrependerem de seus pecados e voltar-se para o eterno Deus poderoso. Durante duzentos anos este povo preferiu continuar em caminhos errantes seguindo os padrões idolatras pelos seus reis ao longo da história (2Rs 17.7-23). Por causa da apostasia no reino do Norte, o povo foi levado cativo pelo governo da Assíria.

Reino do Sul - Judá

Durante toda a história, Jerusalém foi capital e somente uma dinastia, a de Davi, reinou no reino do Sul. O Senhor Deus escolheu e preservou a cidade de Jerusalém para estabelecer o seu nome (2Cr 12.13).


Imagem retirada no Google
1- ROBOÃO (1Rs 12.1-24; 14.1-31): Filho de Salomão, foi o primeiro rei do reino do Sul após a divisão. Reinou durante dezessete anos. Quando fora aclamado rei em Siquém, Jeroboão - que se encontrava no Egito, fugindo de Salomão, veio a presença de Roboão com toda a congregação de Israel para interpelar acerca dos altos impostos. Roboão só respondeu após três dias, pois iria consultar os conselheiros do reino.

Mas ao invés de aceitar os conselhos dos mais experientes conselheiros do palácio ele acatou os conselhos daqueles pelos quais cresceram junto com ele ´´Assim falarás a este povo que disse: Teu pai fez pesado o nosso jugo, mas tu alivia-o de sobre nós; assim lhe falarás: Meu dedo mínimo é mais grosso do que os lombos de meu pai. Assim que, se meu pai vos impôs jugo pesado, eu ainda vo-lo aumentarei; meu pai vos castigou com açoites, porém eu vos castigarei com escorpiões´´  (1Rs 12.10,11  ARA). Quando esta decisão chegou aos ouvidos de Jeroboão e do povo, os ânimos ficaram mais exaltados. Eles exclamaram: ´´Não há para nós herança no filho de Jessé!´´  (v.16). Assim, cada um retornaram as suas respectivas casas.

Quando Adorão que era supervisor dos serviços braçais forçados desde a época de Salomão ao povo de Israel, fora enviado por Roboão, e o mesmo é recebido a pedradas pelo povo do lado norte de Israel, que não conseguindo fugir morre. Isto marcou definitivamente a divisão das dez tribos com as duas, Judá e Benjamin, que escolheram permanecer leais a Roboão.

Jeroboão acaba sendo aclamado rei em Israel (região norte). Quando Roboão chega em Jerusalém, pois o mesmo estava junto com Adorão em Israel, mas quando o negócio estreitou para o lado de seu servo, ele conseguiu tomar o seu carro/carruagem (hb. merkabah) e fugiu para Jerusalém, ele reúne toda a casa de Judá e Benjamim, um total de 180.000 homens destros para a guerra contra a casa de Israel, pois tinha o objetivo de restituir o reino. Todavia, Deus por meio de Semaías disse a Roboão e as duas tribos para não subirem e pelejarem contra Israel pois tudo o que estava acontecendo era por permissão dEle.

Não só Israel adorou a outros deuses como também a casa de Judá. Em 1Rs 14.22,23 está registrado que Judá fez o que era mau aos olhos do Senhor. Edificaram altos, estátuas, colunas e postes-ídolos, até prostitutos cultuais havia.

No quinto ano do governo de Roboão, o rei do Egito, Sisaque, em apoio de bárbaros da Líbia e da Etiópia subjugou cerca de 150 localidades em Edom, na Filístia, em Judá e também em Israel. Em Judá, Sisaque se apoderou de partes do tesouro do Templo, como também dos escudos de ouro que pertencia a Salomão. Depois Roboão substituiu por escudos de bronze.

Todo período de seu governo Roboão guerreou contra Jeroboão, tornando em tempos de muita turbulência. Roboão morre e seu filho Abias reina em seu lugar.

2- ABIAS (1Rs 15.1-8): Reinou três anos. Sua mãe chamava-se Maaca, hb. Maakah, era filha de Uriel (2Cr 13.2). Um fato interessante é que Abias era sobrinho e bisneto ao mesmo tempo de Absalão (1Rs 15.2; 2Cr 11.20), nas respectivas referências está registrada que Maaca é filha deste. No hebraico o termo בַּת־ ´´bat´´ tanto pode significar filha como neta. Entretanto, a esposa de Roboão, era neta de Absalão, filha de Tamar (2Sm 14.27).

Quando Abias começou a reinar em Judá, Jeroboão ainda reinava em Israel. Ele andou nos mesmos caminhos de seu pai, nos seus três anos de governo. Também viveu em guerra com Jeroboão, o autor do segundo Livro de Crônicas descreveu a história de Abias com mais fatos. Descreve que Abias ativou uma guerra entre os dois reinos, subiu ao monte Zemaraim que está na região montanhosa de Efraim com os seus 400 mil homens contra os 800 mil de Jeroboão. Mas Jeroboão estrategicamente, enquanto Abias falava, ordenou aos homens que estavam de emboscada a atacarem o exército de Judá por detrás. Quando eles avistaram que tinham homens por detrás e por diante clamaram ao Senhor e os sacerdotes começaram a tocar as trombetas. E o Senhor feriu a Jeroboão e todo o seu exército.

Graças a intervenção misericordiosa de Deus por amor a Davi (cf. 1Rs15.3,4), Abias saiu vencedor desta peleja, e tomou cidades como Betel, Jesana e Efraim com suas respectivas aldeias. Após esse confronto, Jeroboão não restaurou o seu poder durante o reinado de Abias (2Cr 13.1-22). Abias morre e seu filho Asa assume o trono.

3- ASA (1Rs 15.9-24): Seu reinado durou quarenta e um anos. A Bíblia afirma que ele foi reto perante o Senhor (vers. 11), tirou os prostitutos cultuais e removeu os ídolos. Depôs sua mãe, chamada Maaca, como rainha. Fez uma geral, uma reforma no quesito espiritual de Judá, após Deus ter falado com ele através de Azarias (2Cr 15.1,2).

Devido a grande revolução espiritual que Asa fizera em Judá, o rei Baasa (norte - Israel) ficou muito perturbado, pois Israel foi derrotado por Abias pouco tempo antes de Asa ter se tornado rei. A situação ficou também difícil para Baasa depois que a dinastia de Jeroboão foi expelida. Ele orquestra então um ataque a Judá conseguindo entrar e edificar Ramá - um modo de impedir que pessoas fossem ou voltassem de Judá (2Cr 16.1).

Asa então fez aliança com o rei da Síria e lhe enviou mimos (presentes), como prata e ouro dos tesouros da Casa do Senhor e os tesouros reais. Destarte, Ben-Hadade, rei da Síria, anula a aliança que tinha com Baasa e deu ordens aos seus capitães contra as cidades de Israel e feriu em Ijom, Dã, Abel-Maim e todas as cidades munidas de Naftali. Quando Baasa recebe a mensagem dos acontecimentos do ataque de Ben-Hadade desistiu de fortificar Ramá. As madeiras e pedras pelas quais Baasa estava usando para edificar esta cidade, Asa traz para Geba e Mispá edificando-as.

Depois deste episódio, o profeta Hanani veio até Asa e proferiu uma mensagem da parte de Deus devido sua atitude de falta de confiança Nele, pois o mesmo confiou em exércitos e armas humanos. Deus repreendeu-o trazendo para sua memória as vitórias que Ele lhe concedeu. Deus também falou que por esse motivo desde agora em diante haveria guerra contra ti. Asa mui indignou-se contra o profeta e o prendeu no cárcere. Desta forma ele passou a oprimir o povo.

A Bíblia não relata nada sobre essas guerras, mas no trigésimo nono ano de seu reinado, Asa ficou doente dos pés, grave em extremo. Nem mesmo na doença se quebrantou a Deus, confiou mais nos médicos. Morre e é sepultado no sepulcro que mandou fazer para si na Cidade de Davi. Seu filho Josafá reina em seu lugar.

4- JOSAFÁ (1Rs 22.41-55; 2Cr 17 - 20): Reinou durante vinte e cinco anos. Diferente dos outros reis, ele procurou andar em retidão nos caminhos do Senhor, promoveu uma reforma religiosa, só que ele não tirou os altos. É bom frisar que existia dois altos. Um onde o nome do Senhor era adorado (2Co 17.6; ) e outro onde o povo adorava e cultuava aos outros deuses (1Rs 22.44; cf. 2Cr 20.33). Exterminou os qadesh ´´prostitutos cultuais´´, que tinham por causa da tolerância de seu pai.

Fortaleceu Judá e estabeleceu guarnições, seu exército foi mui poderoso. Estabeleceu também de uma forma organizada o ensino da lei sob todo o território de Judá (2Cr 17.7-9). Ele teve um governo próspero por causa de sua devoção em Deus. A Bíblia afirma que as outras nações possuíam temor de Judá, de maneira que sentiram desmotivados em levantar guerra contra Josafá.

A relação com Israel foi amistosa, resultado de aliança que ele tinha feito com está nação. Casou seu filho, Jeorão, com a filha de Acabe (rei do Norte), Atalias.

Anos se passam e um certo tempo Acabe convida Josafá para ir em Samaria que o hospeda de forma suntuosa. Acabe estava com problemas com a Síria por conta da cidade de Ramote-Gileade que Ben-Hadade não devolvera em conformidade com o tratado de Afeque. Desta forma eles fazem aliança, Acabe e Josafá. Mas Josafá, prefere pedir conselhos a algum profeta. Acabe dá ordens para eles entrarem e eles só falam coisas boas, os tais profetas só proferiram palavras que elevou o ego de Acabe. Todavia, Josafá pergunta, ´´Não há, aqui, ainda algum profeta do Senhor, para o consultarmos?´´ (2Cr 18.6). Acabe diz que sim, mas ele só fala palavras contrárias. Este é Micaías, ele entra, e fala o contrário do que os outros profetas falaram. Sobre a subida deles para Ramote-Gileade a pelejarem contra a Síria, Micaías diz que viu todo Israel disperso pelos montes igual ovelhas que está sem pastor (vers. 16).

Não satisfeito com as palavras proferidas, Acabe dá ordens para prenderem Micaías e torturá-lo até que ele volte da guerra. Micaías ainda responde ´´se voltares...´´. E realmente, Acabe foi com seu exército e o exército de Josafá para a peleja disfarçado, porém foi ferido não resistiu e faleceu.

Josafá depois deste episódio quando já está em Judá foi duramente repreendido por Deus através do profeta Jeú, ´´ Devias tu ajudar ao perverso e amar aqueles que aborrecem o Senhor?´´ (2Cr 19.2). É bom salientar aqui a coragem deste profeta. Com uma autoridade vai até a presença do rei e o repreende. Ele não teve medo de confrontar o rei, sabendo que ele podia dá ordens de mata-lo ou prendê-lo, igual aconteceu com seu pai Hanani (cf. 2Cr 16.7-10). Mas Deus usou de misericórdia com Josafá.

Os moabitas, amonitas e alguns dos meunitas pelejaram contra Josafá. Ele proclamou um jejum em todo o Judá e levantou um clamor a Deus. O Espírito do Senhor veio no meio da congregação e tomou a Jaaziel que disse: ´´Dai ouvidos, todo o Judá e vós, moradores de Jerusalém, e tu, ó rei Josafá, ao que vos diz o Senhor. Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão, pois a peleja não é vossa, mas de Deus. Amanhã, descereis contra eles; eis que sobem pela ladeira de Ziz; encontrá-lo-eis no fim do vale, defronte do deserto de Jeruel. Neste encontro, não tereis de pelejar; tomai posição, ficai parados e vede o salvamento que o Senhor vos dará, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã, saí-lhes ao encontro, porque o Senhor é convosco.´´ (2Cr 20.15). Assim, diligentemente Josafá e todo Judá e Jerusalém prostraram com o rosto em terra e adoraram ao Senhor, enquanto os levitas louvaram de forma audível a Deus.

No dia seguinte Josafá guiou o povo motivando-os que tivessem fé em Deus. O povo marchou em direção ao inimigo, só que as forças adversárias ficaram em confusão e começaram massacrar uns aos outros. Depois disso eles recolheram os despojos, era tanta riqueza, que Josafá e o povo levou três dias para recolher. No quarto dia, Josafá reuniu o povo no lugar chamado vale da Bênção, onde louvaram ao Senhor.

Um dos últimos feitos de Josafá que a Bíblia registra é sobre a aliança que ele fez com Acazias (rei do Norte) filho de Acabe (1Rs 22.52). O objetivo desta aliança era para construção de navios para irem a Társis - propósitos comerciais. Todavia Deus usa o profeta Eliézer que disse: ´´Porquanto te aliaste com Acazias, o Senhor destruiu as tuas obras´´ (2Cr 20.37). Os navios se quebraram e os planos de Josafá foram frustrados. Ele morre pouco tempo depois e seu filho reinou em seu lugar. É bom salientar que dentre tantos filhos que Josafá possuía, Jeorão era o filho mais velho e também já estava reinando em Judá, como co-regente.

Rei Jeorão. Imagem retirada do site pt.wikipedia.org
5- JEORÃO (2Rs 8.16-24): Reinou oito anos. Era casado com Atalia, filha de Acabe. A Bíblia registra que ele não andou nos caminhos do Senhor, até porque ele fora casado com a filha de Acabe e já viu, acabou recebendo influências não muito boa, principalmente no âmbito religioso.

Restabeleceu o culto idolatra nos altos. Matou todos os seus irmãos e também os príncipes de Israel. Em sua gestão o povo de Edom e de Libna se revoltaram contra ele. Foi uma administração sangrenta familiar e também política. Deus só não deu cabo de Judá por causa da aliança que fizera com Davi em manter uma lâmpada acessa em Jerusalém, cidade que o Senhor escolheu para pô o seu nome (1Rs 11.36).

Ele recebeu uma carta do profeta Elias com uma mensagem da parte de Deus que o repreendeu severamente por causa de seus atos e foi avisado do juízo iminente que sobreviria sobre ele e Judá.

Os filisteus e os árabes invadiram Judá, saquearam a casa do rei, levando não só os bens mas também as mulheres e os filhos, exceto Jeoacaz - também chamado de Acazias, o mais moço. Depois deste acontecimento, Jeorão é acometido por uma enfermidade incurável. Diz a Bíblia, que a cada dia a doença avançava lhe causando fortes dores até que as estranhas ficaram expostas. Jeorão morre e não recebe honrarias de rei igual aos seus pais e nem foi enterrado nos sepulcros dos reis. Seu filho Jeoacaz (Acazias) foi nomeado pelo povo de Jerusalém como rei de Judá. Mas redigirei sobre ele no próximo artigo.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

O nome de Deus (YHWH - EHYEH) no livro de Ester

Imagem retirada do Google
Quem nunca leu a história de Ester. História fascinante e rica em detalhes com uma mensagem espetacular. O livro narra sobre o acontecimento do povo judeu que quase foi dizimado quando estavam ainda na Babilônia sob a dominação persa. Pois em 539 a.C. foi redigido e assinado o decreto de liberdade aos exilados do reino de Babilônia após a conquista e ascensão de Ciro neste país. Sob a liderança de Zorobabel e Josué, cerca de mais de 42.360 pessoas retornaram para Jerusalém (Ed 1.1; 2.1,2,64,65). O livro tem como protagonistas, uma moça judia que tornou-se numa rainha persa e seu primo Mordecai.

Quando lemos este livro percebemos que ele se distingui de outros livros da Bíblia, em relação a menção ao nome de Deus, que não é feita em nenhum momento ao longo dos fatos narrados pelo escritor. E esta foi a causa de discussão gerada quando o livro estava listado como não canônico no período do processo de canonização dos primeiros séculos depois de Cristo, embora que os eruditos judeus não tinham dúvida da inspiração dele. Mas, será mesmo que no livro de Ester não tem nenhuma menção do nome de Deus. É este o objetivo deste estudo, pelo qual desejo mostrar para vocês.

Em minhas pesquisas e leituras em alguns livros e sites, pude perceber que é possível sim encontrar menção do nome de Deus no livro de Ester, mas na língua hebraica e não em nossas traduções.

Na literatura hebraica bíblica observamos o uso de acróstico em vários textos bíblicos, por ex. Salmos 9; 10; 34; 111; 119; Pv 30.10-31; Lm 1 - 4; Ester 1.20; 5.4,13; 7.5,7 etc. Afinal, o que é um acróstico? Segundo o dicionário on line Priberam é uma ´´Composição poética em que cada verso principia por uma das letras da palavra que lhe serve de tema´´ ou ´´Tipo de texto em que as primeiras letras de cada linha ou parágrafo formam verticalmente uma ou mais palavras´´. É como se eu pegasse cada letra do nome de JESUS e escrevesse um texto ou poema. Veja abaixo um exemplo de acróstico:

Imagem retirada do site http://gotasdepensamentosclaudio.blogspot.com.br/2008/12/amor.html

Composição poética em que cada verso principia por uma das letras da palavra que lhe serve de tema.

2. Tipo de texto em que as primeiras letras de cada linha ou parágrafo formam verticalmente uma ou mais palavras.

"acróstico", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/acr%C3%B3stico [consultado em 11-11-2015].
Composição poética em que cada verso principia por uma das letras da palavra que lhe serve de tema.

2. Tipo de texto em que as primeiras letras de cada linha ou parágrafo formam verticalmente uma ou mais palavras.

"acróstico", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/acr%C3%B3stico [consultado em 11-11-2015].
Composição poética em que cada verso principia por uma das letras da palavra que lhe serve de tema.

2. Tipo de texto em que as primeiras letras de cada linha ou parágrafo formam verticalmente uma ou mais palavras.

"acróstico", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/acr%C3%B3stico [consultado em 11-11-2015]
Nos Salmos citados o acróstico é utilizado com as letras do alfabeto hebraico, principalmente o Salmo 119, que possui 22 versos e cada verso se inicia com uma letra do alfabeto.

No livro de Ester vamos averiguar cada versículo mencionado acima o acróstico formado do nome de YHWH (hb. יְהוָ֜ה), conhecido como Tetragrama, YaHVeH (vertido em português para Javé), ou YeHoVaH (vertido em português para Jeová).

Redigirei os respectivos capítulos e versículos em português e em seguida no hebraico.

- Ester 1.2: ´´...todas as mulheres darão...´´  ARA

                        היא       וכל         הנשים        יתנו
                       dará   as esposas  e todas   ele/ela

Observe o versículo no hebraico, as letras que estão grifadas na cor vermelha são as inicias do nome יְהוָ֜ה (YHWH), mas de forma invertida, da esquerda para direita. É bom frisar que, os judeus escrevem e leem da direita para esquerda.

- Ester 5.4: ´´...venha o rei e Hamã, hoje...´´   ARA

                        יבוא          המלך          והמן                היום     
                 este dia (hoje)   e Hamã    que o rei   venha (vir)

Neste versículo podemos observar nitidamente as iniciais das letras em negrito que o autor redigiu  יְהוָ֜ה normalmente, da direita para esquerda, ou seja, ele inverteu a posição das letras diferindo do 1.20.

- Ester 5.13: ´´Porém tudo isto não me satisfaz...´´   ARA

                         וְכָל־זֶ֕ה           אֵינֶ֥נּוּ        שֹׁוֶ֖ה          לִ֑י
                 para mim  aproveita  nada  isso me  No entanto, todos e

Aqui temos o formato do acróstico semelhante ao 1.20, porém as letras encontram-se no final de cada palavra.


 - Ester 7.7: ´´...que o mal contra ele já estava determinado...´´  ARA

               כִּֽי־כָלְתָ֥ה           אֵלָ֛יו      הָרָעָ֖ה                     
     houve mal-lo  contra  determinado  que

Neste caso é o inverso de 5.13.

Para finalizar, mostrarei outro acróstico, mas não as letras iniciais de יְהוָ֜ה e sim EHYEH, ´´Eu Sou´´ (hb. אֵהיה).

- Ester 7.5: ´´Quem é esse e onde está esse...´´

                               ה֥וּא        זֶה֙         וְאֵֽי־זֶ֣ה      ה֔וּא
                                  isto/é ele onde          é ele

Percebe que o acróstico do nome אֵהיה que significa EU SOU, o autor inicia e termina com a letra אֵ (álef)

É muito interessante observar todo o cuidado que o autor teve em descrever os fatos históricos e ao mesmo tempo apresentar minuciosamente o seu lado devoto, registrando ocultamente o nome de Deus. Eles levavam muito a sério a obediência da Lei, principalmente no que diz em Ex 20.7 ´´Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão, porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão´´, considerando o nome de Deus (YHWH) sagrado demais para ser conhecido e proferido por lábios imperfeitos. Geisler afirma que pode ter sido este o fator que se deu em preservar explicitamente o nome de Deus no livro, devido a perversão pagã na época que o livro foi escrito. Mas ninguém sabe dizer ao certo se isso era realmente uma atitude de zelo e devoção com o Nome sagrado de Deus (pelo qual eles consideravam) ou uma mera superstição entre a comunidade, e se for uma tradição supersticiosa, onde e como surgiu. A Bíblia afirma que o próprio Deus faria com que o Seu nome fosse ´´anunciado em toda a terra´´ (Ex 9.16).

Por mais que seu nome não esteja explícito mas implícito neste livro, Ele atuou de maneira providencial em todo o momento na vida do seu povo. O Eu Sou é, continua sendo e sempre será o Deus todo poderoso e misericordioso que está sempre pronto em socorrer os seus filhos.      


 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ALMEIDA, João Ferreira de. A Bíblia Sagrada Revista e Corrigida. 67ª impressão. RJ. JUERP/Imprensa Bíblica Brasileira. 1987.

ALMEIDA, João Ferreira de. A Bíblia Sagrada de Estudo da Mulher Revista e Atualizada. 2ª ed. SP. Sociedade Bíblica do Brasil. 2009.

BENTHO, Esdras Costa. Hermenêutica Fácil e Descomplicada. 14ª impressão. RJ. CPAD. 2013. pág. 291.

--------------  Bíblia Hebraica Stuttgartensia

GEISLER, Norman. HOWE, Thomas. Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e ´´Contradições´´ da Bíblia. pág. 140.

http://atestemunhafiel.no.comunidades.net/o-tetragrama-de-deus-e-a-pronuncia

http://biblehub.com

http://www.estudosdabiblia.net/salmos_7.htm

http://www.priberam.pt/dlpo/acr%C3%B3stico